FAZ-TE MEMBRO DESTE BLOG E RECEBE NOTIFICAÇÕES DOS NOVOS POSTS

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Bem-aventurados os gentis

Era um dia qualquer e uma hora qualquer perto do almoço. Estava triste e angustiado. Ansioso. Tinha feito toda a manhã o que não se deve fazer: pedir uma ação de graças em meu favor. Lembrei-me que estava perto da   igreja do Campo Grande, onde ali mesmo,  junto ao rebuliço do cruzamento com a avenida do Brasil, eu muitas vezes me recolhia sozinho para rezar. Acerquei-me do templo. Antes de abrir a porta, ouvi uma voz feminina fazendo uma leitura. Admirei-me. Empurrei a porta da esquerda da igreja que não cedeu. Forcei a da direita e ela abriu-se. Decorria uma missa.

Nas últimas cadeiras estava uma mão cheia de jovens adultos, na casa dos trintas, vestindo  trajes normais, daqueles que se usam em Lisboa nos dias de trabalho. Benzi-me e coloquei-me  no meio deles. As suas vozes rezando, ecoavam dentro de mim uma comoção estranha, causada em parte pela esperança  daquela frescura espontânea - algo arredada das igrejas que frequento - e por outro lado, pelo facto da sua presença poder dever-se, como a minha, a uma angústia premente qualquer.

A missa foi avançando e as vozes em redor enchiam-me o coração. Estava agora cada vez mais comovido. Cheguei mesmo a pensar em colocar os óculos de sol para esconder as lágrimas. Olhava o Senhor agonizante na cruz e pensava: "Sofreste para que nós fossemos homens e mulheres alegres. Desculpa-me esta tristeza de quem tem ainda tão pouca fé".

Na hora da saída, gentilmente um daqueles jovens adultos abriu-me a porta. Lembrei-me que lera no dia anterior, na nova tradução bíblica que  Frederico Lourenço fez a partir do grego: "Bem-aventurados os gentis, porque herdarão a terra"** Pensei para mim: "Obrigado, irmão. Que o teu gesto se espalhe pela cidade ".


** Nas anteriores traduções a partir do Latim, no "Sermão da Montanha", onde Jesus Cristo prega as bem aventuranças, lê-se habitualmente "Felizes os mansos, porque  herdarão a terra" Mateus 5:5. E curiosamente na nova tradução o adjetivo "mansos" é substituído por "gentis", indo ao encontro do significado original já que os evangelhos foram escritos em grego. 


Igreja do Campo Grande

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Aceitar, não é resignar

Cuidar dos feridos, não é apascentar a guerra. Amar os pobres, não é gostar da pobreza. Acolher os transviados, não é ser conivente com o vício. Homenagear os mortos, não é glorificar a morte. Em conclusão: Aceitar, não é resignar. Aceitar é o que nos resta quando não há nada a fazer, quando resistir significa partir, quebrar, ou menos, desgastar-nos sem porquê. Aceitemos, portanto, sem nos resignarmos.


quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

O lado possível da transformação

Vivemos irritados com alguns traços da nossa personalidade. Não queríamos ser vaidosos, tímidos, gananciosos e muitos outros traços da nossa natureza que gostaríamos de anular ou lentamente enfraquecê-los. Muitos tentam esta mudança durante semanas ou meses, mas passando algum tempo, todo o esforço foi em vão e as características voltam manifestar-se como sempre. Na verdade, não podemos anular o que a nossa componente genética e a nossa matriz cultural nos atribuiu. O que podemos é aceitá-la. E ao perdoar as nossas próprias fraquezas, ficaremos mais apaziguados espiritualmente. Esta transformação de aceitação, será  pedagógica, porque nos ajudará também aceitar o comportamento do outro. Compreender e aceitar aquele traço da sua personalidade que nos irrita - ou que pode mesmo a fazer com que o odiemos - vai fazer maravilhas, se não na relação com o outro,  pelo menos no nosso próprio conforto espiritual.  Conclusão: Aceita-te e vais aprender a aceitar o outro. Esta é a transformação possível da nossa personalidade, a aceitação.


quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

"Sociedade do Cansaço"

Cada vez mais encontro mais pessoas cansadas ou esgotadas no meu dia a dia. Muitas delas, são mulheres que trabalham em média mais do que homens. Se queres perceber o que nos está acontecer a (quase) a todos, recomendo a leitura da "Sociedade do Cansaço" (2014) do filósofo Byung-Chul Han. Quem quiser aprofundar ainda mais este tema pode ler ainda a sua obra mais esclarecedora "Psicopolítica".





    Autor: Byung-Chul Han
    Edição: Relógio d'Água
    64 páginas
    Custo: 12 euros

A tela de Penélope

Enquanto esperava o regresso do seu marido, Ulisses, a Ítaca, a bela Penélope foi assediada por muitos pretendentes que, argumentando que o seu marido havia morrido, esperavam desposá-la. Esta para conseguir fugir ao assédio, começou a tecer um tecido para a urna funerária do seu pai, dizendo aos pretendentes que apenas tomaria uma decisão no final daquela tarefa. No final de cada dia, Penelópe desmanchava a todo o trabalho do dia e recomeçava de novo na manhã seguinte. Assim o fez até à chegada de Ulisses à ilha de Ítaca.


segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

A Ilusão cósmica

Os espelhos trazem-nos
 a ilusão da alvorada.

Os espelhos que estão agora
por todo o lado
apenas refletem a labareda
que diante deles alguém acendeu.

Sim, podes tocar o espelho
sem que os teus dedos ardam.

Ó como é fluorescente e quente
a ilusão das chamas
quando ela projeta a tua alma.

E reduzido a cinzas
há-de o vento levar-te
para outro lugar irrefletível.

Serás outra vez a poeira
que entra pela porta
das casas baixas sem darmos conta.

Serás outra vez o primeiro naco de pó
à espera de crescer
crescer até à altura do espelho.


quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Ofício exato

"Persistir em dar forma ao que permanece escondido na escuridão (e que jamais viste) poderá ser considerado teimosia inconsequente, mas, também, o mais puro dos actos do escultor" 

em "Breves notas sobre o medo", 
Relógio d'água (2007) de Gonçalo M.Tavares


_