18/05/2024

O melro transcendental

 Eternidade

é o nome do melro

que à minha frente salta.

Eterno,

porque para mim todos os melros

são iguais.

Logo, os que saltam à minha frente

são sempre o mesmo.

Disso não há dúvida.

Viverão e saltarão sempre

que homens como eu

passarem por esta rua emoldurada

por renques de árvores que marcham

na direção oposta ao meu destino.

E o meu destino é este:

perseguir melros que são palavras.

17/05/2024

Momentos raros

 O poema lê-te,

se tiveres tempo para fitá-lo de frente,

quando o esperas nu encostado à ombreira.


São momentos raros, mas acontecem,

quando a chuva miúda cai,

e a aquela música triste do Satie 

te desfibra os nervos

um por um com a sua pinça de vapor.


São momentos raros, confesso-te,

mas apenas neles os teus gritos serão ouvidos

na hierarquia dos anjos.