FAZ-TE MEMBRO DESTE BLOG E RECEBE NOTIFICAÇÕES DOS NOVOS POSTS

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Antígona

Antígona desejava dar uma sepultura ao seu irmão Polinice. Este que tinha comandado um ataque a Tebas, morreu a combater contra o seu outro irmão, Etéocles. Creonte, rei de Tebas, decidiu prestar homenagens fúnebres a Etéocles, devido a ter morrido a defender a cidade. Enquanto, ao cadáver de Polinice, ordenou que fosse lançado aos abutres e cães e que nenhum ritual fúnebre lhe fosse prestado. Antígona rebelou-se contra a ordem de Creonte e por suas próprias mãos enterrou e prestou os devidos cultos fúnebres a Polinice.Achava ela que todo o homem tinha direito a ser enterrado, independentemente do seu passado. Muitos em Tebas, pensavam como Antígona, porém ninguém ousou contrariar a decisão do rei.  Creonte inquiriu Antígona que afirmou ter sido ela a efetuar aquele ato. Creonte mandou enterrá-la viva. O filho de Creonte, Hêmon, era o noivo de Antígona e ao saber da condenação encerrou-se no túmulo com Antígona. Quando Creonte se dirige para o local da condenação para resgatar o seu filho, Hêmon ameça o seu pai com um punhal, mas em vez de matá-lo, decide-se suicidar. Ao saber da morte de seu filho Hêmon, Euridice, mulher de Creonte, também se mata.

Esta peça escrita 300 AC, continua uma imitação do real. Só assim se entende a sua persistência histórica e qualidade poética (segundo Aristóteles em "Poética", uma peça era uma imitação do real). Eu posso testemunhar que continua acontecer isto entre os homens: Tirania e despotismo gera desgraça a quem a pratica. Tenho pelo menos fé que assim continue.


Sem comentários :

_