FAZ-TE MEMBRO DESTE BLOG E RECEBE NOTIFICAÇÕES DOS NOVOS POSTS

domingo, 19 de abril de 2015

abril

a peste grassa
entre os mais ínfimos
outeiros da cidade
enquanto um velho mendigo
aguarda
a chegada sempre segura
da  primavera

há um lamento tímido
nas conversas dos
agrilhoados ao porão da barca
que se afunda, onde
uma pomba sonora
prepara já o grito
de aleluia

a tudo isto assistem
poetas sentados
que entendem
mas não traduzem
para a linguagem dos vivos
as nuvens negras
que assomam por
detrás das crateras

entre a relva semicortada
onde pastam, como arlequins,
pequenos estorninhos danados,
aflora
tímida e inesperada
 a cidade do futuro

saúdem-se os antigos reis
e os burgueses (todos nós) por cumprir
o cheiro dos corpos apesar de tudo
felizes
chama-se abril

1 comentário :

Anónimo disse...

Passei por aqui e gostei de Abril
Maria Fernanda Pinto

_