FAZ-TE MEMBRO DESTE BLOG E RECEBE NOTIFICAÇÕES DOS NOVOS POSTS

terça-feira, 31 de dezembro de 2019

Agitação

Era um homem humilde submetido pela lembrança da fulminante mercê do destino. Não era bem um homem, era uma árvore contemplativa. Os pássaros e as cigarras confiavam nela há muito tempo.

Tinha a imobilidade da paciência, do guerreiro repousando entre batalhas, do cavalo que pasta e corre depois para ganhar algum avanço ao tempo.

Certo dia uma gaivota cruzou-lhe o olhar e ele quis voar também.
E tudo tremeu numa ansiedade inaudita expandida em ondas pelo universo adentro.
E a Lua já não era a mesma. E a árvore deixou cair alguns ramos. E as formigas pararam e soergueram as cabecinhas reluzentes para ver o homem que não tinha peso.

Quando o homem não voou, afinal, o mundo já não era igual e o mistério adensou-se na mente dos sábios, na alma dos poetas, na melodia das aves e todos os cantadores.

Por isso o homem lembrou-se do destino e caminhou sem fome, sem ossos, outra vez humilde e devoto aos seus passos lentos e naturais, tentando não levantar demasiada poeira do velho caminho. Por que essa sim, insignificante e inorgânica, voava, voava em bando e com destino incerto como ele outrora desejara.



terça-feira, 24 de dezembro de 2019

Star Wars

Viste o drone
no Parque Municipal 
- e talvez por causa da saga imortal
da Guerra das Estrelas-
acertaste-lhe com uma pedrada na lente.
Soube-te tão bem.
Mas fizeste mal.
Os drones podem vigiar os fogos,
disseram há dias na televisão. 

sábado, 7 de dezembro de 2019

Na despedida da irmã Júlia

No velório da irmã Júlia Leal cantou-se e rezou-se. Saí da capela cansado, mas com um sentimento até aquele momento desconhecido e escrevi:

0,03 é a probabilidade da fé absoluta. Aquela que nos transporta a alma para uma morada eterna. Ontem, enquanto nos despedíamos da irmã Júlia,  entre orações e cânticos, intui essa ínfima hipótese. Podem dizer-me que é escassa, da ordem das centésimas, sem chegar sequer às décimas. Mas o que  interessa é: esse ponto de luz na escuridão irrespirável do oceano; essa melodia inaudível que faz dançar alguns a que chamamos — sem razão ou interesse — de irmãos na esperança.  
_