FAZ-TE MEMBRO DESTE BLOG E RECEBE NOTIFICAÇÕES DOS NOVOS POSTS

segunda-feira, 13 de abril de 2020

Do sotão dos moleskines

Perdidos no tempo e em velhos moleskines - que empilho onde calha na secretária - releio agora alguns desses poemas, neste tempo de quarentena:

Dedilho as vagas
como cordas de uma arpa
procurando o meu par
no fundo do mar.

O que se passa? Não sei.
Talvez o destino o lançasse
às água profundas
de uma chávena de chá.



Sem comentários :

_