FAZ-TE MEMBRO DESTE BLOG E RECEBE NOTIFICAÇÕES DOS NOVOS POSTS

terça-feira, 30 de julho de 2019

Como Lorca

Recorrentemente, regresso a García Lorca, à Andalucía, a um som de guitarra e flamenco. Fico toldado pela sua leveza e liberdade e não consigo impedir que a sua poética se entranhe. Sus gacelas, poemas de amor com uma estrutura de origem árabes, são muito bonitas, quase cantabilis. Assim escrevo eu como se fosse Lorca:

Tudo é derradeiro
Não há último, nem primeiro
Tudo é frágil e suspeito
E homem nenhum suspenderá 
O vento que embala as árvores
E as faz cantar como loucas
Nem a chuva que me traz à boca
Os novos rebentos do teu semblante
Recortado numa língua de água e fogo

De quem são estes campos de centeio ?
De quem são estes peitos de rola e giz ?

Ai, Ai, Ai, Ai...se o quis, porque o não fiz
Ai, Ai, Ai, Ai...se o cantei, porque o não disse
Bastavam palavras, 
Palavras  de gesso e firmamento
Palavras de riachos e aloendros



segunda-feira, 22 de julho de 2019

Ler

Leio, ó que prazer, como se vivesse vidas infinitas ou uma infinita vida. Leio como se a própria vida fosse água a correr entre as pedras, peripécias calcárias de personagens insustentáveis ao sol de julho.

O tempo abranda sempre que o livro se abre e prepara o voo. Coloco os óculos de mergulho e, agitando as pálpebras, percorro as palavras-corais. Logo a realidade foge como um cardume assustado pelo rumor crescente da fantasia.

Humildemente, peço tudo. Ambicioso, não peço mais que nada. Nada mais que a mentira verídica.

quinta-feira, 4 de julho de 2019

Natureza humana

Afinal somos filhos do erro sublime
e da máquina resplandecente.
Sábios e dementes.
Em mistério, entramos, vida a vida, rio adentro.
Casualmente, perguntamos pelo milagre do início
e pelo castigo do fim.
Nada.
A mais pequena coisa, impele-nos a este caminho surdo ou mudo.

E neste silêncio, os mais capazes contemplam apenas.
_