FAZ-TE MEMBRO DESTE BLOG E RECEBE NOTIFICAÇÕES DOS NOVOS POSTS

terça-feira, 29 de maio de 2018

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Mater

Abre a boca
e deixa entrar o sol.

 
Espera, como um botão de rosa,
o espreguiçar da primeira pétala.

E finalmente grita entre dentes
um cardo que dê sombra
à ousada perfeição do escaravelho.

sexta-feira, 4 de maio de 2018

Prometeu

O mito de Prometeu e Pandora - Christian Griepenkerl (1839 – 1912)
Prometeu era um titã, uma entidade capaz de enfrentar os deuses - algo impossível ao comum dos mortais. Ele roubou o fogo aos deuses para o dar aos mortais. Porque o fez, não sei. Talvez por vaidade, talvez por estratégia no confronto que oponha os deuses aos titãs na mitologia grega. Ninguém o disse. O profundo conhecimento do subconsciente das personagens chegou muito mais tarde, num período chamado pré-modernismo ou realismo psicológico. Há quem diga que aparece pela primeira vez no romance "Preto e vermelho" de Sthendal, mas isso não vem agora para a história de Prometeu. O fato é que este levou o calor, a luz, o combustível aos mortais, encurtando as diferenças entre os homens e os deuses.

Na tragédia grega, o herói é sempre vítima de si mesmo. Só assim o teatro se torna moral. Prometeu terá sido também vítima do seu carácter. Esses mesmo traços de personalidade que dão e retiram vantagem arbitrariamente, porque o tempo não pára para ninguém, nem mesmo para quem vive no Olimpo.

Zeus temeu que os mortais ficassem tão poderosos como os deuses e puniu Prometeu. Acorrentou-o na escarpa de uma montanha no Cáucaso, onde todos os dias uma águia lhe comia o figado, esse mesmo que regenerava no dia seguinte para voltar a ser debicado complemente. Não tenho lembrança de pena tão cruel e prolongada no tempo. Talvez Zeus quisesse que o seu castigo servisse de exemplo para aplacar futuros atrevimentos. Acho que não foi suficientemente dissuasor. De vez em quando surge um privilegiado que por vaidade ou sentido de justiça ou ambas as coisas - porque a justiça e a vaidade andam às vezes juntas - rouba o fogo aos privilegiados e o entrega aos outros. Não é uma tarefa fácil. Quem o faz será sempre lembrado como herói por uns, como um vilão por outros.
_