FAZ-TE MEMBRO DESTE BLOG E RECEBE NOTIFICAÇÕES DOS NOVOS POSTS

domingo, 30 de julho de 2017

Insónia

São três da manhã. Estou num hostel à beira do rio Arade. Um trio de espanholas surdas-mudas entram no hostel e acordam-me. Ó ironia das ironias  ser acordado por mudas. Preciso de dormir. Não consigo deixar de ouvir o arrastar dos pés e as suas vocalizações estranhas. Pego no telemóvel, coloco os headphones e começo ouvir o "Adagio" do Samuel Barber. A música completa a vista  histórica de Silves. Obrigo-me a escrever:

Fúnebre canção  de embalar
que vagueia pela noite dentro
descendo ao fundo do poço,
já indistinta do silêncio,
resgata e adormece-me
como se eu fosse a coruja 
à espera do sol raiar.

As mudas desligam a luz, quando acabo de escrever este poema, este estribilho. Acordam ao longe o galo e as galinhas da Horta Grande. Adormeço eu imaginando o ultimo voo da coruja que se vem deitar.
Silves à noite, vista da ponte romana (foto Miguel Lapas)

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Dois docs, duas mulheres, duas formas de rebeldia

Acabei de ver dois docs comoventes. Um baseado na biografia da pintora Paula Rego. O outro, na cantora norte-americana Janis Joplin. Ambas marcadas pela sua condição de mulheres muito especiais. Têm histórias de vida absolutamente pungentes.  A americana brilha e explode, com a velocidade previsível de uma estrela pop nos States dos anos 60. A portuguesa tem uma atitude introvertida e transforma as suas ansiedades, forças e subjetividades num longo percurso pictórico. Não vive tão intensamente como Janis Joplin e frequenta meios mais serenos. Por isso resiste, insiste e vence. Aliás, ambas artistas vencem o tempo, porque ficaram na história do século XX.

O documentário "Paula Rego, Histórias e Segredos" é uma oração ao ser humana. Chamo-lhe oração murmurada, porque a linguagem da pintora é uma espécie de murmuração do seu subconsciente - uma confissão criptada. "Janis: Little Girl Blue" é um grito, daqueles gritos nascidos no pós-guerra, mas não só. Um grito  para onde convergem muitos silêncios contidos, o silêncio dos negros (Jazz, Blues) ou o silêncio dos humilhados, renegados e falhados. E talvez seja este o drama interior de Janis na década do amor (anos 60): Querer amar todos e ser amada por todos. Uma missão que se revelaria impossível para uma  rapariga gorda e com acne de Port Arthur (Texas) para quem o palco se tornou a melhor forma de ser finalmente amada. Morre de overdose em 1970, como se Janis pudesse desaparecer.




  

terça-feira, 4 de julho de 2017

O teu pé

para a Fatinha

O teu pé
limo sobre a lava
abre em combustão a rocha 
quase adulta
e salgada

Ao largo, 
o vulcão estremece,
mas não acorda
quando o cardume a medo o contorna

Veludo azul e verde
o teu pé tecido de paciência
como uma suave desforra
_