FAZ-TE MEMBRO DESTE BLOG E RECEBE NOTIFICAÇÕES DOS NOVOS POSTS

terça-feira, 30 de maio de 2017

Da humildade

Ó poeta não te perguntas porque é que depois de escreveres uma dúzia de versos te surge na alma aquela impressão insolente de que fizeste uma grande obra ?

Tens mesmo a mania das grandezas ou terás, em vão, tentado falar com Deus ?

Terás conseguido falar com Ele ? Se Ele te tivesse escutado, não ficarias com esse sabor de superioridade e glória que te aflora aos lábios, julgo eu, neste meu juízo limitado pelo tempo,  espaço e  corpo.

Temo mesmo que não haja criação humana, mas apenas uma interpretação insuficiente ou uma arrumação temporária da obra de Deus.

Se calhar o universo inteiro não passa de um átomo de uma molécula de um pelo que cresceu na axila Dele esta madrugada.

Porque é Deus, ó poeta, que tudo escuta e cuida. É da sua natureza este cuidado tão intenso como extenso. Ele, sim, é o poeta que escreve, conhece e risca - piedosamente, creio eu -  todos versos.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Finisterra, porque sim

Eu sei, tu sabes
que sou um projeto estúpido da terra
desses que se soltam das margens
como um telemóvel sem a tecla de atender
e calcorreando vou de rio em rio
até ao incógnito mar
no máximo dos máximos
passo a três léguas daqueles cabos velhos
que dobram os continentes sem saber porquê

Eu sei, tu sabes
que hoje não há tempo para poemas
mas tão-só para mapas astrais
e sistemas de equações
de índole tão indeterminada como uma fakenews

"Rocky reef on sea shore" de Caspar David Friedrich 


sexta-feira, 12 de maio de 2017

Entre o céu e a terra

Pintura tonalista de Edward Bannister


As religiões são gramáticas com deficiências naturais e humanas. Elas permitem aos humanos nomear ou interpretar o transcendente. É natural que as religiões à semelhança das línguas dos povos tenham uma matriz geográfica, étnica e política. Entre o transcendente e o imanente o que pode um mortal senão seguir o caminho estreito entre ambos. Eles próprios que alternadamente se atraem e repelem.

"Terra
sem uma gota
de céu.

(...)


Céu
sem gota
de terra."

in "Turismo" de Carlos de Oliveira

Há ateus de uma religiosidade tão exigente que nenhuma gramática lhes parece suficiente para a fruíção ou interpretação do transcendente. Ninguém escapa a este anseio de infinito, de partilha caritativa,  de misericórdia e justiça, de uma verdade tão universal e genérica que possa servir de referência a todos nós - ou mais poeticamente - um ponto de fuga comum para onde todos as caminhadas converjam. 

sexta-feira, 5 de maio de 2017

A falência das palavras

Nunca encontrei palavras, nunca
Tocá-las? Queria eu, queria
Às vezes algumas das suas sombras recônditas
surgem-me  espectrais em ínfimos poemas
Em outras alturas, ouço-as ao longe
aos turbilhões  em solilóquios impetuosos
e mais tarde exaustos
Quando tento agarrá-las, já lá não estão
Acredito que as palavras foram reais
há  muito tempo atrás
Justificavam duelos e amparavam amores
E alguns deles, até só viviam nas e das palavras
Agora todos os poetas que conheço
abriram falência por causa delas
e em segredo mudaram de ramo
ainda que finjam que não

Que pena já não haver ligação nenhuma
entre as palavras e as coisas
Nem que fosse uma pequena economia
destinada apenas às mais belas



_