FAZ-TE MEMBRO DESTE BLOG E RECEBE NOTIFICAÇÕES DOS NOVOS POSTS

domingo, 15 de abril de 2012

O Chico



Descobri a música do Chico Buarque quando era adolescente. Estavamos no início dos anos 80. Gostava das letras e da simplicidade da música (MPB) que vinha ao encontro da revolução musical portuguesa, onde surgiu também um imenso caudal de produção de música popular  (Trovante, Vitorino, Sérgio Godinho, ...). Ouvia repetidamente a cassete verde do "Chico e Caetano juntos ao vivo" que um amigo me emprestara (O mesmo amigo que me apresentou o FMI do José Mário Branco).

Ouvia-o e não sabia se eram as ninfetas do Liceu que me faziam gostar das suas músicas ou o contrário.  Mais tarde, todos aqueles que me conheciam os gostos  encheram-me de "vinis" do Chico nos "Natais" e "Aniversários". Vi-o uma vez apenas no Campo Pequeno. Timido, honesto, humilde e só por isso um gigante gracioso da cultura luso-brasileira.  Gostava quando ele vinha a Portugal e jogava a sua "peladinha" com os gadelhudos jogadores daquela altura. Mais tarde, li os vários livros dele, mas foi com o "Leite Derramado" que fiquei fã também da sua escrita.

Gostava de o ver mais uma vez. Agora que já entrei nos quarenta, seria um ajuste de contas comigo através de todas as músicas dele que marcaram aqueles que como eu as ouviram e as sentiram.

Todos precisamos de heróis. Eu não escapo à regra. Se mais não fosse, valeu pena ter nascido para conhecer  a criação do Chico.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

terça-feira, 10 de abril de 2012

A horta


Que calma superlativa tem esta horta! Que enlevo e expoente máximo da civilização!

As árvores certas, no lugar certo. Enquanto a luz  amorna a terra fecunda, aguardando uma benfazeja semente.

Na linha do horizonte, algumas montanhas ensaiam  vagas de mar  nas suas próprias silhuetas. Como se uma calmaria se  espraiasse em profundidade e até à eternidade.

De regresso ao microcosmos, uma formiga ensaia o seu lugar aqui. Da mesma forma, eu o faço com a minha literatura. Com as suas antenas, a formiga experimenta aqui, depois acolá. Sabe-se lá o que procura ? Também eu não sei o que procuro. Sempre me questionei sobre a função da literatura ? E para que serve um poeta ?

Talvez ser poeta sirva apenas para colocar esta pequena horta do fim-do-mundo, num lugar de deuses e deusas, num Olimpo outra vez pastoral, perfeito como uma cantata polifónica, onde os sobreiros são tenores e os chamarizes, mega-sopranos temíveis, temperando a dimensão do silêncio com o estrilho do seu canto.

O poeta deve ter a pretensão de pegar carinhosamente nesta horta e arrancá-la sem a arrancar. Levá-la daqui para onde a horta não exista, mas seja necessária. Para quem não tenha uma horta - ou apenas a tenha virtualmente - consiga sentir o cheiro, a placidez, o optimismo, a modéstia honrada que tem uma horta em Salvaterra do Extremo (Idanha Nova - Portugal).

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Beira Interior

                                                                                         Ao Joaquim Cardoso Dias

O tempo parou. As pedras descansam. E os pardais treinam  retórica sabe-se lá porquê...

As ovelhas e os poços refletem o pedido tímido da primavera e, por agora, recusado.

Mas, junto à devesa das oliveiras, avança a fibra ótica, imaginem!
Ó século XXI, onde os exércitos marcham dentro de fios, para impor a Pax Romana.

Estribilhos de melros enquadram  a canção de uma betoneira.

Agora o tempo volta avançar, em círculos, numa tontura mecânica.

Quando a betoneira pára de vez, a realidade esfarela-se. E as hercúleas formigas  constroem, com essas migalhas, um novo império interior. 
_