FAZ-TE MEMBRO DESTE BLOG E RECEBE NOTIFICAÇÕES DOS NOVOS POSTS

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Uma tertúlia

Dez - Poesia reunida de 10 autores do DN Jovem
 (1995)




O Luís Filipe Silva falou-me, através do novo arauto do reino - o Facebook - do lançamento do livro "DN Jovem - entre o papel e a net" de Helena de Sousa Freitas. Disse-me que já tinha o livro e que estava bom. Referenciava-nos a ambos: a ele (bastante) e a mim . Fiquei curioso.



Segunda-feira, fui à Bertrand do Campo Pequeno e, depois de passar uma vista de olhos, comprei o livro. Pareceu-me bom e completo. "Pareceu-me" porque ainda não li detalhadamente. Mesmo assim encontrei algumas referências no livro que passo a citar e que ficam para memória futura - se é que vai haver memória futura desta nova era digital - dos encontros semanais com alguns dos colegas poetas e prosadores daquela época:

"Éramos sete ou oito colaboradores colaboradores da parte da escrita. Estou-me a lembrar: era eu (José Mário Silva), o Pedro Mexia, o Alexandre Andrade, o Luis Palma Gomes, a Margarida Vale de Gato, a Diana Almeida, o meu irmão, Manuel Deniz Silva. Portanto, era um grupo. Nós reuniamo-nos e era um complemento da experiência do DN Jovem. Por um lado, comentávamos o suplemento, aquilo que achávamos, de que tínhamos gostado mais e menos, líamos textos que estávamos a pensar enviar para o suplemento - ou que eram para ficar na gaveta-, para ter a opinião dos outros, comentávamos os livros que andávamos a ler, os filmes que víamos, etc. Era um encontro puramente cultural e, muitas vezes, a seguir íamos ver um filme todos juntos. E essa tertúlia durou bastante tempo, pelo menos uns dois ou três anos, até que, depois quer a vida académica, de estudos, quer a vida profissional, começou a torná-la inviável. Mas eu fiquei amigo dessas pessoas. Com umas estou mais, com outras menos, mas acho que se criou...um movimento seria exagerado, ou sequer uma corrente, ou sequer uma capelinha, nada disso...mas criou-se um leque de afinidades electivas que eu acho que permanece ainda hoje" recapitulou José Mário Silva três anos depos opinião similar expressa na Feira do Livro.

Sem comentários :

_