FAZ-TE MEMBRO DESTE BLOG E RECEBE NOTIFICAÇÕES DOS NOVOS POSTS

domingo, 27 de setembro de 2009

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

"Big Fish" de Tim Burton



Azar do poeta que migra com as palavras. Deixa-se levar pelo conceito abstracto da migração das aves, essa anual viagem que nunca viu. Vive da ilusão que cultiva. E ela cresce como uma erva trepadeira que se enreda aos seus pés impedindo-o de se mover.


Quem vive dentro de si, vive?


A questão demora uma vida a responder. Uma geração ? Ou ficará mesmo nos anais da História da espécie como um dos seus hábitos antropológicos?


No momento concreto do apuramento do saldo, quando a matéria, o corpo ou a vida conta, quem acreditará no poeta ? Quem lhe seguirá os passos e os pensamentos ?


A importância do poeta ganha acuidade depois de ver o filme "Big Fish" de Tim Burton.


Remonta à época clássica, a profissão de poeta como contador de histórias. Por ironia, a civilização grega, a quem se atribui as primeiras tentativas sérias de desmascarar o mito, é também aquela que tece e promove, com forte motivação e apoio do Estado, o exercício do contador de histórias (Teatro/Poesia) . Será o mito uma tentativa de conceptualização da realidade? Pode a realidade expressar-se apenas em números como alegariam os Pitagóricos ou necessita a raça humana de uma abordagem poética válida e humana dessa realidade que nos envolve?


"Big fish" parece um filme simples, mas nem sempre simplicidade é sinónimo de banalidade.


Talvez a imaginação seja a mais pungente marca da Humanidade. Não a deixemos castrar com pensamentos únicos ou pragmatismos precipitados
_